Aumente o tráfego qualificado no seu site.
Email info@fredericolopes.com

9 coisas óbvias que provavelmente não sabe sobre SEO

Home > Blog > SEO > 9 coisas óbvias que provavelmente não sabe sobre SEO

É com enorme prazer que volto a escrever um artigo sobre o meu tema preferido: SEO

Neste artigo vou desmistificar todo o imenso e árduo trabalho, que existe no desenvolvimento de uma estratégia correcta em SEO. Preparado?

Trabalho em sites há vários anos e posso dizer com segurança que os sites pensados em SEO, superam a maioria das outras fontes de tráfego por várias ordens de magnitude.

Aqui está um exemplo de um site gerido por mim:

Infelizmente a maior parte dos artigos acerca de SEO, falam todos da mesma maneira, sempre as mesmas técnicas de optimização SEO no site. Estas técnicas apenas o irão ajudar a chegar a uma determinada posição. Para ranquear no topo dos resultados de pesquisa, precisamos fazer muito mais do que isso.

Vou apenas começar por dizer que a optimização SEO, nos dias de hoje, tem um significado algo contraditório. E que se é seu objectivo optimizar para motores de pesquisa, a verdade é que não precisa de pensar em motores de pesquisa. Pelo contrário, deverá pensar sempre em optimização de conteúdo para os seus visitantes.

Nunca se vai enganar se criar conteúdo relevante, que o seu público alvo adora.

Ninguém sabe ao certo todos os fatores de classificação (o certo é que há mais de 200 sinais de classificação). A Especulação sempre foi abundante sobre o que são os sinais de classificação e qual é a sua força. Recentemente, porém, o Google através de várias pessoas confirmaram que existem três principais sinais de classificação:

Conteúdo – o conteúdo real de uma página, artigo ou site completo
Links – a quantidade e a qualidade dos links para seu domínio, páginas e posts específicos do seu site
RankBrain – irei falar um pouco sobre isso durante o artigo

Então, quais são as coisas em que precisa reflectir, se deseja bater os três principais sinais de classificação?

1. Escreva conteúdo para pessoas, e não para motores de busca

No passado, costumava haver muitas recomendações para escrever conteúdo que tente “enganar” os motores de busca. Muitas dessas sugestões podem ter feito sentido para os motores de busca no dia em que os algoritmos de classificação eram bastante simples. Estas velhas técnicas, hoje em dia, criam uma má experiência ao usuário.

Uma dessas técnicas era a densidade no texto de uma determinada palavras-chave.

Então os “peritos” criavam páginas preenchidas com texto visível ou invisível cheio dessas palavras-chave que a página queria classificar. Algumas pessoas colocam palavras-chave em contextos que não os apropriados. E Às vezes, frases que não fazem sentido apenas para que a página inclua uma palavra-chave específica. Foi aí que nasceu uma indústria em torno do conteúdo, sem valor real para os usuários, mas com uma densidade de palavras-chave específicas.

Isto criou um monte de conteúdo de lixo. Uma experiência de usuário negativa para os usuários que procuram algo específico. Uma vez que o objetivo principal da Google é satisfazer a intenção de busca de um usuário, esta experiência negativa era algo que tinha de ser tratada. Foi então que a Google caiu em cima deste tipo de conteúdo como uma pilha de tijolos.

No SEO dos dias de hoje, devemos nos focar sempre em escrever conteúdo de interesse para o nosso público-alvo. Esqueça a densidade de palavras-chave, que podem criar experiências negativas e escreva conteúdo que realmente atraia o interesse do seu público.

Ao escrever ou criar conteúdo, deve esquecer a classificação dos motores de busca e concentrar-se apenas em criar uma experiência positiva para o seu visitante-alvo.

Como é que sabemos que Google nos quer concentrados 100% no usuário? É uma das primeiras coisas na declaração da sua missão: # 1: Foco no usuário e tudo o mais vem a seguir.

2. Escreva o melhor conteúdo na Internet

Então, quais devem ser nossos objetivos quando escrevemos o conteúdo do site?

Queremos escrever conteúdo que atraia os usuários não motores de busca
Queremos competir com outros sites que já estão no ranking das palavras-chave escolhidas
Para atingir esses objetivos, precisará criar conteúdo que vá acima e além das expectativas de seus usuários.

Para o seu tópico, deve se concentrar em criar o melhor conteúdo na internet. Só se tiver o melhor conteúdo na internet para qualquer tópico é pode obter uma classificação que o deixe nas posições superiores dos motores de busca.

Por que precisamos ter o melhor conteúdo na internet?

Os usuários querem ficar maravilhados com o seu conteúdo.

Querem aprender coisas novas e sairem do seu site satisfeitos, sabendo que aprenderam algo novo.

Querem ficar motivados a fazer algo com o conteúdo que lhes deu.

Ao criar conteúdo incrível, ganhará a confiança de seus visitantes. Isso, é claro, vai ser necessário se quiser eventualmente converter esses visitantes em clientes.

Escrever o melhor conteúdo na internet não é uma tarefa trivial. Tem que investir tempo, pesquisa, experiência e mais experiência, então despeje tudo isso num artigo. O que leva à necessidade de…

3. Escrever Long-tail, com profundidade de Conteúdo

Para escrever o melhor conteúdo na internet, a melhor solução é pensar que precisa reflectir sobre um tópico a partir de todos os ângulos. Para cobrir cada ângulo e escrever o melhor conteúdo na internet (na maioria das vezes) precisará escrever conteúdo longo. Não só isso é ótimo para os motores de busca, mas estudos de correlação mostram que o conteúdo de long tail se classifica melhor nos motores de busca.

Mas como podemos confirmar isso? De duas maneiras pelo menos:

1. SerpIQ fez um estudo que mostra que conteúdo melhor classificado corresponde tipicamente a mais de 2.000 palavras.

O gráfico acima mostra uma correlação muito clara entre o conteúdo de artigos mais longos e posições de classificação mais elevadas. Todas as 10 posições superiores têm um comprimento médio do índice de mais de 2.000 palavras, quando as posições superiores ao 6 tiverem o índice que está sobre 2.300 palavras ao longo do tempo.

2. Benefícios de conteúdo de forma longa também são referenciados pelo Blog Central  da Google WebMaster onde Pandu Nayak, um membro do pessoal técnico diz:

Usuários freqüentemente se voltam para o Google para responder a uma pergunta rápida, mas pesquisas sugerem que até 10% das necessidades diárias de informação dos usuários envolvem o aprendizado sobre um tema amplo. É por isso que hoje estamos introduzindo novos resultados de pesquisa para ajudar os usuários a encontrar artigos aprofundados.

Mas além de criar o melhor conteúdo na internet, por que devemos publicar conteúdo de longa-metragem que abrange um tópico extensivamente?

Pode achar que o melhor conteúdo na internet vai ficar melhor com mais backlinks. Dado que sabemos que um dos principais sinais de classificação são os backlinks, definitivamente deve se concentrar em certificar-se de que o seu conteúdo é absoluto e maior.

4. Usar palavras e frases chave com destino alvo.

Anteriormente neste artigo, disse que não se deve escrever conteúdo para os motores de busca usando técnicas desatualizadas como densidade de palavras-chave.

Vamos retroceder um pouco.

O Google precisa entender o seu conteúdo antes de poder classificá-lo. E a maneira como ele entende sobre o seu conteúdo é através de palavras-chave e frases-chave. Então terá de se certificar que os 4 pontos principais estão cobertos:

  • Use as palavras-chave de destino na tag tag <title>
  • Envolva as palavras-chave nas tags <h1> e <h2>
  • Use as palavras-chave de destino nas primeiras 100 palavras e de novo entre as últimas 100 palavras do artigo
  • A primeira imagem do seu artigo deve ter uma marca ALT ou nome de imagem, que inclui as palavras-chave
  • Agora, desenvolvimentos algorítmicos recentes no Google já não exigem que você use palavras-chave exatas. Se está a analisar SEO e deseja classificar para essas palavras-chave, já não precisa usar essas palavras-chave exatas. Sinônimos e frases-chave em torno do tópico que deseja classificar pode e deve também ser incluída no seu conteúdo.

5. Escreva um titulo forte, focado em conduzir a curiosidade e os cliques

Uma frase de destaque forte, que inclui palavras-chave é um dos fatores de SEO.

Mas este não é o único propósito que serve. Lembre-se que eu disse que queríamos nos concentrar nos nossos leitores e não nos motores de busca?

Se tivermos em atenção o facto de que quando efectuamos uma pesquisa, por norma clicamos num dos 3 primeiros resultados de pesquisa. Normalmente naquele em que o título nos fornece a informação de que realmente procuramos.

Concentre-se em criar um título forte para atrair cliques. Se o seu artigo não está classificado nas posições superiores, então está provavelmente a perder quantidades significativas de tráfego. Uma grande titulo permitirá ganhar destaque sobre os artigos posicionados no ranking acima do seu site.

Há uma abundância de ferramentas que pode usar para gerar titulo realmente fortes.

Existem relatórios conflituosos, sobre se a Google usa taxas de clique (também conhecido como CTR) nos resultados dos mecanismos de pesquisa para determinar qual posição em que devem aparecer primeiro. Alguns dizem que se um artigo em posições mais baixas está a receber mais cliques do que um artigo em posições elevadas, então irá começar a subir no ranking de pesquisa. Outros dizem que isso é apenas um mito. Eu tenho a minha opinião.

E digo: crie uma titulo forte que pique o interesse e faça as pessoas realmente lerem seu conteúdo incrível.
Somente quando fizer com que as pessoas leiam o seu conteúdo é que realmente obterá resultados com esse conteúdo.

A taxa de cliques como um sinal de classificação pode estar em disputa. Tenha cuidado de escrever um título enganoso que serve apenas para gerar uma batalha de cliques. Não o faça!

Há um outro sinal de classificação que a maioria dos especialistas de SEO concordam

6. Escreva uma introdução forte que mantenha os utilizadores a ler o conteúdo

Há muito tempo especula-se que a Google monitora a taxa de rejeição para determinar se o conteúdo está a satisfazer a intenção de pesquisa do usuário.

Se o visitante voltar aos resultados da pesquisa porque não gostou do conteúdo onde esteve, então a Google baixará logo a sua posição.

Vamos atualizar um tema-chave da Google.

É missão do mecanismo de pesquisa fornecer a um usuário sempre os resultados de pesquisa perfeita para qualquer consulta. Agora, se fosse a Google e nota-se que os usuários estão a gastar muito pouco tempo no primeiro resultado, mas estão a gastar mais tempo no segundo resultado, não lhe parece que o segundo resultado parece ser mais capaz de satisfazer a procura do usuário?

Pronto! Estes são os verdadeiros “sensores” que o algoritmo da Google utiliza para determinar o conteúdo que melhor satisfaz a consulta de um determinado usuário. E essa é uma razão muito válida pelo qual o conteúdo que se deve escrever ou publicar precisa estar no sempre no topo do jogo.

Conseguir com que o utilizador leia a introdução e queira continuar é um grande primeiro passo, mas existem mais coisas a fazer.

7. Inclua conteúdo que mantenha “vidrado” o seu leitor

Nunca se deve esquecer que a Google usa avaliações, como taxa de engajamento com um artigo, cliques no artigo, taxa de rejeição (quanto tempo um usuário gasta num artigo específico) para avaliar a qualidade de um artigo.

Deve, portanto, estruturar o seu artigo de tal forma que os usuários são mantidos envolvidos com esse conteúdo. Deve também incluir conteúdo auxiliar para manter seus usuários atentos.

Esses tipos de elementos devem ser incluídos no seu conteúdo para aumentar as hipóteses dos seus leitores adorarem o que escreve. Este infográfico do Hubspot mostra como escrever conteúdo que mantém os usuários envolvidos e aumentar as hipóteses dos seus usuários realmente lerem o seu conteúdo.

Aqui estão algumas das minhas próprias sugestões

  • Escreva frases e parágrafos curtos (isso facilita a leitura)
  • Utilize marcadores sempre que necessário
  • Use muitos títulos e subtítulos
  • Use muitas imagens que complementam o conteúdo que você escreveu. Lotes do texto pesado fazem para a leitura difícil
  • Inclua vídeos relevantes que complementam seu conteúdo. Tanto o clique como a visualização do vídeo serão um forte sinal de engajamento
  • Inclua pelo menos dois ou três links relevantes que complementam seu conteúdo. Uma atualização do Google relativamente antiga, mas ainda relevante, chamada Hummingbird dá mais relevância ao seu conteúdo se fizer referência a conteúdo semelhante ao do seu tópico.
  • Incentive os seus usuários a comentar o seu conteúdo. Este é um forte sinal de engajamento e um sinal claro de que o seu artigo desencadeou resposta
  • Inclua conteúdo para download, se possível, para aumentar a possibilidade de cliques (engajamento)
  • Escrever conteúdo único e especial é apenas metade do trabalho. Como já discutimos na introdução do artigo, existe outro fator de classificação crítico.

8. Gastar muito tempo em SEO, mas fora do site!

Se está a escrever conteúdo, pressionando apenas o botão “Publicar” e, em seguida, cruza os dedos e espera que o artigo fique bem classificado. Tenho uma coisa para lhe dizer: está a fazer tudo errado.

As probabilidades do seu conteúdo ficar bem rankeado, sem qualquer entrada de link para esse conteúdo são bastante raras.

Depois de ter escrito o conteúdo, precisa ainda obter links para o artigo. Para fazer isso precisa gastar muito tempo em e-mail marketing e networking, tanto quanto gastou para o escrever. Hey, provavelmente precisará gastar três vezes mais tempo a criar links como a escrever o seu artigo.

Dado que as ligações são um sinal tão forte, realmente não precisa preocupar-se tanto em on-page SEO, porque isso é relativamente fácil de fazer. Links, por outro lado, são muito mais difíceis de encontrar.

É por isso que eu passei a maior parte deste artigo a falar sobre como criar o melhor conteúdo na internet, porque se não tivesse tirado tempo para escrever este conteúdo tão importante, provavelmente não conseguiria, links de qualidade para ele.

Basta perceber, que para os seus artigos obterem links, precisam de estar um ponto acima da concorrência. É por isso que todas as coisas que mencionei até agora são tão importântes.

Obter backlinks é um tema muito amplo que eu não vou discutir neste artigo, mas há uma última coisa que deve ter em mente …

9. Compreender os conceitos de RankBrain para ser capaz de uma boa classificação em consultas específicas

Ao longo deste artigo, constantemente enfatizei como a Google usa sinais para melhor classificar o conteúdo.

Uma das maneiras que a Google compreende consultas complexas é através da aprendizagem de máquinas. RankBrain é um algoritmo de que a Google implementou para entender o significado por detrás de determinadas consultas complexas.

O que é uma consulta complexa?

Existem vários tipos de consultas complexas, por isso vamos dar um exemplo muito simples para manter as coisas simples. Vamos tomar a palavra “treinador”:

Pode referir-se a um treinador (ou gerente) de uma equipe de desporto
Pode se referir a um veículo para transportar um monte de pessoas, também conhecido como um autocarro
Pode referir-se a uma marca de malas femininas
Realmente e verdadeiramente, usar a palavra treinador numa consulta pode significar coisas diferentes para pessoas diferentes em momentos diferentes em diferentes locais geográficos, talvez até mesmo em diferentes estações do ano.

O que o RankBrain e a aprendizagem de máquina fazem em geral é usar exemplos passados ​​de comportamento para aprender a prever qual resultado de pesquisa é o resultado exato exigido para a intenção de pesquisa de um usuário específico.

A maneira como isso é feito em geral é alimentar milhares de exemplos no algoritmo e, em seguida, mostra-lhes o que parece ser o resultado correto para essa consulta dada. O resultado correto, é claro, é determinado quando o usuário está satisfeito com um resultado de pesquisa e parar de procurá-lo.

Essas consultas de pesquisa, resultados e sensores comportamentais de usuário são alimentados ao algoritmo de tal forma que eventualmente aprende quais resultados de pesquisa corretos devem ser apresentados ao usuário.

E é por isso que se deve sempre concentrar em criar o bocado perfeito de conteúdo para o tópico que está a escrever.

O Google desenvolveu algoritmos de tal forma que sempre retornará o melhor resultado. O armazenamento maciço de dados passados ​​pode ser usado para determinar resultados de pesquisa corretos e prever o resultado correto para a frente.

Bom SEO leva tempo e paciência

Claro, a otimização para os motores de busca não é uma tarefa trivial. É preciso tempo, persistência e muito esforço. Alguns Plugins poderão ajudá-lo, mas eles não serão capazes de fazer qualquer milagre, porque a maiorias fazem SEO na página. Fazer uma diferença real para o seu site vai levar muito mais do que isso.

Mas se deseja criar uma estratégia completa em torno de seus esforços, será definitivamente recompensado a longo prazo.

9 coisas óbvias que provavelmente não sabe sobre SEO
5 (100%) 2 voto[s]

About the author

Faço parte de uma das principais agências digitais em Portugal. Desenhamos experiências para a web ajudando marcas a falar em linguagem digital.

Leave a Reply

Frederico Lopes

Frederico Lopes é um Freelancer de Lisboa, Especializado em WordPress e E-Commerce. Apaixonado por SEO e Conversões é também obcecado por novas ideias, e tecnologias, que tragam mais clientes para seu negócio.
Como Traduzir Template ou Plugin em WordPress com Poedit
28 Maio, 2019
8 passos para gerir com eficácia um site WordPress existente
19 Fevereiro, 2019
Guia Completo Link building [2019]
8 Fevereiro, 2019
Certificado Google
fechar

Copie e cole este código para exibir a imagem no seu site